Solidariedade às companheiras vítimas da violência machista nas redes sociais

No início desta semana assistimos estarrecidas a dois episódios de machismo e misoginia nas redes sociais. Na segunda-feira, 22 de janeiro, quatro militantes feministas foram atacadas por um blog extremista, que incitou seus leitores a jogar ácido nas ativistas para lhes dar “uma lição”. Além disso, o autor do blog divulgou dados pessoais das companheiras, como endereço e dados bancários, e também de seus familiares, a quem as ameaças foram estendidas. O blog faz ainda apologia à violência contra as mulheres e ao estupro corretivo de feministas.

                                                                                                                                                        No dia seguinte, a companheira Silvia Ferraro foi atacada nas redes sociais pela postagem de um vídeo debatendo a questão do julgamento de Lula. Estes ataques em nada se referem ao debate político em torno do tema, mas são afirmações da mais pura expressão misógina, na sua maioria com referências ao sexo como forma de “correção” às suas posições políticas. Os ataques continuam até então.

Infelizmente este é o cotidiano das mulheres em todos os espaços. Num país onde a cada 11 minutos uma mulher é estuprada e a cada 2 minutos uma mulher é agredida, o padrão de comportamento é a ameaça àquelas que ousam posicionar-se na sociedade e ocupar o espaço público, especialmente o espaço de poder da política.

Declaramos aqui nossa solidariedade às companheiras! Seguiremos ocupando todos os espaços, participando da política e nos organizando contra a violência de classe e a violência machista.