Resistência negra em tribunal branco: vitória das comunidades quilombolas no STF

Por Aline Caldeira (Centro de Assessoria Jurídica Popular Mariana Criola)

                                                                                                                                Não sou escravo de nenhum senhor                                                                                                                                               Meu Paraíso é meu bastião                                                                                                                                          Meu Tuiuti o quilombo da favela                                                                                                                                                    É sentinela da libertação                                                                                                           (Enredo da Escola de Samba Paraíso Tuiuti 2018)                                           

Após os festejos de carnaval retomam-se as lutas cotidianas da população negra pela efetiva igualdade racial no país e neste ano, somam-se a elas uma grande vitória: a declaração de constitucionalidade do Decreto 4.887/2003 (principal instrumento legal de regulamentação da titulação de territórios quilombolas no país) pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 8 de fevereiro de 2018. Trata-se da chamada ADIN Quilombola, Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada no ano de 2004 pelo então Partido da Frente Liberal (PFL), hoje Democratas (DEM).

O Decreto questionado definiu, a partir do diálogo com os movimentos sociais, importantes critérios para a efetivação da política de reconhecimento de territórios quilombolas no país, dentre eles: a auto atribuição como critério para a certificação quilombola, a previsão de desapropriação de territórios quilombolas invadidos e atribuição de competência ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) para conduzir a política.

Os debates em meio ao julgamento da ADIN questionavam tais pontos, além de sugerirem a extensão da chamada “tese do marco temporal”, já adotada em territórios indígenas, para o reconhecimento e a titulação dos territórios quilombolas. Sinteticamente tratava-se de obrigar as comunidades a comprovarem a ocupação de seus territórios na data da promulgação da Constituição Federal de 1988, ou seja, uma “prova diabólica”, como afirmado pelo Ministro Lewandoswki.

Ao contrário disso, a ADIN Quilombola foi julgada improcedente e seu longo tempo de duração fortaleceu uma articulação nacional de movimentos quilombolas e demais parceiros na luta pelo reconhecimento e libertação dos territórios negros no país.

Ainda que não se possa afirmar que o espaço dos tribunais seja necessariamente espaço de efetivação de direitos no país, é certo que vitórias jurídicas, ainda que pontuais, representam importantes mecanismos de resistência para aqueles que não se cansam de lutar diariamente.

Vitória das Comunidades Quilombolas do país!